Agora escreve-me

No dia 10 de outubro celebrámos o “Dia Mundial da Saúde Mental” com um pequeno exercício de escrita, exteriorizando problemas pessoais e preocupações com a sociedade através da caneta e do papel

Na Declaração Universal dos Direitos Humanos, no artigo 25.º podemos ler que “toda a pessoa tem o direito inalienável à saúde e bem-estar”. Nesse contexto decidimos promover, em conjunto com a IPSS Florinhas do Vouga, que comemorava o Dia Internacional dos Direitos Humanos, um exercício de reflexão pessoal através da escrita.

Na nossa instalação podiam encontrar, sobre um singelo par de mesas, uma pequena caixa de correio, papel de carta, envelopes e esferográficas. Convidámos quem nos visitava a fazer um pequeno exercício de escrita: Pedimos que, armados com uma esferográfica e munidos de uma folha, exprimissem as suas preocupações pessoais ou um problema social que identificassem, local ou global. Se a inspiração lhes falhasse, tínhamos ainda para oferecer “comprimidos poéticos”, pequenos papéis com poemas curados pela nossa storyteller residente Jéssica Jacinto.

Inspirados nas técnicas de journaling e escrita terapêutica, o nosso objetivo era que, ao escrever o problema que enfrentam, as pessoas o exteriorizassem, permitindo-lhes reavaliar a sua dimensão. Observando-o sob uma nova perspetiva a pessoa estaria agora mais apta para o enfrentar.

Esta ação realizou-se em colaboração com a Plataforma Aveiro Direitos Humanos e a IPSS Florinhas do Vouga e contou com o apoio do IPDJ – Instituto Português do Desporto e Juventude, I.P.

Agora Aveiro

15-10-2017